Publicidade

Estamos falando a mesma língua?!

Você já teve a oportunidade de presenciar uma conversa técnica entre dois médicos? Caso afirmativo, deve ter percebido que, apesar de utilizarem o português na comunicação entre si, eles parecem falar um outro idioma.

É assim mesmo. A medicina possui um campo muito vasto de estudo e cada uma de suas especialidades se ramifica em outras tantas e cada vez mais específicas. Mesmo entre profissionais da área de saúde é preciso, por vezes, ajustar a conversa para que o entendimento não se perca entre tantos termos técnicos.

Numa consulta, o médico deve adaptar seu vocabulário de modo a que o paciente
seja atendido em suas necessidades e compreendo, com a máxima eficiência possível, todas as informações sobre sua condição de saúde. Isso inclui as indicações terapêuticas adequadas e o esclarecimento a respeito da medicação a ser utilizada no processo de tratamento.

Mais de 60% das pessoas saem do consultório com compreensão insuficiente sobre a prescrição.

Porém, nem sempre é possível entender perfeitamente tudo o que o profissional diz e é comum que se deixe escapar aqui e ali alguma expressão própria do jargão médico. Pesquisas na área da saúde (USP) apontam que mais de 60% das pessoas saem do consultório com compreensão insuficiente sobre a prescrição e, com isso, correm um sério risco de prejudicar a apropriada evolução do tratamento, podendo até mesmo desenvolver efeitos contrários aos esperados.

Nessa série, nós do mediList® vamos tentar ajudar você a compreender melhor o
processo de envolvimento médico/paciente no decorrer de uma consulta, para que todos possam falar a mesma língua. Não perca as próximas postagens!

Deixe um comentário

Publicidade